This website uses technical and assimilated cookies as well as user-profiling third party cookies in a grouped format to simplify online navigation and to protect the use of services. To find out more or to refuse consent to the use of one or any of the cookies, click here. Closing this banner, browsing this page or clicking on anything will be taken as consent to the use of cookies.

Close

A força orientadora da Ordem de Malta

A Ordem de Malta é uma ordem religiosa católica desde 1113, ano em que foi reconhecida pelo Papa Pascoal II. Como ordem religiosa, está ligada à Santa Sé, mas ao mesmo tempo é independente como sujeito soberano do direito internacional.

A este respeito, o carácter religioso da Ordem de Malta coexiste com a sua plena soberania. O Grão-Mestre – que é eleito entre os Cavaleiros Professos com Votos Perpétuos – é ao mesmo tempo chefe de uma entidade soberana e chefe de uma ordem religiosa. Nesta segunda capacidade, a Santa Igreja Romana atribui-lhe o grau protocolar de cardeal.

De acordo com a Lei Canónica, a Ordem de Malta é uma ordem religiosa leiga, na qual alguns de seus membros são religiosos – professando os três votos de pobreza, castidade e obediência – e outros professam apenas o voto especial de obediência. A grande maioria dos cavaleiros e damas são membros leigos.

A cruz de oito pontas que simboliza a Ordem representa as oito bem-aventuranças e é, portanto, uma lembrança visual de sua espiritualidade.

De acordo com a Constituição, os membros da Ordem de Malta são obrigados a manter um comportamento cristão exemplar em sua vida privada e pública, contribuindo para a manutenção das tradições da Ordem.

O Papa nomeia um Cardeal como seu representante na Ordem de Malta, o Cardinalis Patronus, cujo dever é promover os interesses espirituais da Ordem e dos seus membros e manter relações com a Santa Sé. O Papa também nomeia o Prelado da Ordem de Malta de entre três candidatos propostos pelo Grão-Mestre. O Prelado é o superior eclesiástico do clero da Ordem.

A Ordem de Malta permanece fiel aos seus princípios inspiradores: testemunhar a fé e serviço aos que sofrem. Os seus membros compartilham a mesma vocação e lutam juntos pela solidariedade, justiça e paz. Com base nos ensinamentos dos Evangelhos e na mais próxima comunhão com a Santa Sé, eles estão envolvidos numa caridade activa e dinâmica, apoiada pela fé. Nenhum cavaleiro ou dama é tal por privilégio de nascimento ou mérito adquirido, mas por ter respondido ao chamamento para estar onde há uma necessidade material ou moral, onde há sofrimento, com o seu mistério.

Onde quer que se estabelecessem, os Hospitalários sempre estabeleciam primeiro um Hospital e Hospício e depois, se precisassem, construíam fortificações de defesa. O que significa ser hospitalário no terceiro milénio? Significa dedicar-se a aliviar o sofrimento e levar o bálsamo da caridade cristã aos doentes, em qualquer parte do mundo, não apenas nos hospitais, mas também em casas particulares, lares de idosos ou bairros de populações carentes. A Ordem não se dedica apenas aos doentes, mas também aos socialmente isolados, às vítimas da perseguição e aos refugiados de qualquer raça ou fé religiosa.

Assembleia dos Cavaleiros Portugueses da Ordem Soberana Militar de S. João de Jerusalém, de Rodes e de Malta

Igreja de Sta. Luzia e S. Brás, Lg. Santa Luzia - 1100-487 LISBOA – PORTUGAL

Email: ordemdemalta@gmail.com Tel.: +351 215 873 567