This website uses technical and assimilated cookies as well as user-profiling third party cookies in a grouped format to simplify online navigation and to protect the use of services. To find out more or to refuse consent to the use of one or any of the cookies, click here. Closing this banner, browsing this page or clicking on anything will be taken as consent to the use of cookies.

Close

Jerusalém – 1048

A origem da Ordem de São João remonta a cerca de 1048. Os comerciantes da antiga República Marítima de Amalfi obtiveram do Califa do Egipto a autorização para construir uma igreja, convento e hospital em Jerusalém, para cuidar de peregrinos de qualquer fé religiosa ou raça.

A Ordem de São João de Jerusalém – a comunidade monástica que administrava o hospital – tornou-se independente sob a orientação de seu fundador, o Beato Gerardo. O Papa Pascual II aprovou a fundação do Hospital com a Bula de 15 de Fevereiro de 1113 e colocou-a sob a égide da Igreja, concedendo-lhe o direito de eleger livremente os seus superiores sem interferência de outras autoridades seculares ou religiosas. Em virtude da bula papal, o hospital tornou-se uma ordem leigo-religiosa. Todos os cavaleiros eram religiosos, sujeitos aos três votos monásticos de pobreza, castidade e obediência.

A constituição do Reino de Jerusalém obrigou a Ordem a assumir a defesa militar dos doentes e dos peregrinos, além de vigiar os seus centros médicos e estradas principais. A Ordem acrescentou, assim, a tarefa de defender a fé à sua missão hospitalária. Com o passar do tempo, a Ordem adoptou a cruz branca de oito pontas que ainda hoje é o seu símbolo.

Chipre – 1291

Após a queda de São João do Acre e a perda da Terra Santa em 1291, a Ordem Hospitalária de São João transferiu a sua sede e hospital para Limassol, na ilha de Chipre, onde já estava presente desde 1210.

Continuou a construir novos hospitais fiéis à sua missão hospitalária e beneficiando da posição estratégica da ilha, constituiu uma frota naval para proteger os peregrinos na rota marítima para a Terra Santa. O número de membros vindos de toda a Europa continuou a crescer e contribuiu para o fortalecimento da estrutura da Ordem, adquirindo novas posses na costa do Mediterrâneo.

Devido à crescente instabilidade em Chipre, que resultou na restrição de sua expansão na ilha, os Hospitalários procuraram uma base mais adequada para a sede da Ordem de São João na ilha de Rodes. No entanto, os tenentes magistrais permaneceram presentes em Chipre para governar os Priorados e Comendas (supostamente mais de sessenta em 1374) por mais um século até meados do século XV, quando os Cavaleiros foram transferidos para a sede conventual em Rodes.

Rodes – 1310

Sob a liderança do grão-mestre Fra Foulques de Villaret, em 1307, os Cavaleiros da Ordem de São João desembarcaram com a sua frota em Rodes, completando a aquisição da ilha em 1310, quando a Ordem transferiu a sua sede para lá. Além de oferecer portos naturais para as suas frotas, a ilha era um local estratégico que ligava os mundos oriental e ocidental.

A partir de então, a defesa do mundo cristão exigiu a organização de uma força naval. Assim, a Ordem construiu uma frota poderosa e navegou pelo Mediterrâneo Oriental, travando diversas batalhas famosas.

A independência da Ordem de outras nações, concedida por acção pontifical, e seu direito universalmente reconhecido de manter e mobilizar forças armadas e nomear embaixadores, constituíram o fundamento de sua soberania internacional.

No início do século XIV, as instituições da Ordem e os cavaleiros que chegavam a Rodes de todos os cantos da Europa estavam agrupados de acordo com os idiomas que falavam. Inicialmente, havia sete grupos de línguas: Provença, Auvergne, França, Itália, Aragão (Navarra), Inglaterra (com Escócia e Irlanda) e Alemanha, e mais tarde um oitavo: Castela e Portugal. Cada idioma incluía Priorados ou Grã-Priorados, Bailiados e Comendas.

A Ordem era governada pelo seu Grão-Mestre (Príncipe de Rodes), juntamente com o Conselho, cunhou a sua própria moeda e manteve relações diplomáticas com outros estados. Os altos cargos da Ordem foram dados a representantes de diferentes línguas. A sede da Ordem, o Convento, era composta por membros religiosos de várias nacionalidades.

Após seis meses de cerco e combate feroz contra a frota e exército do sultão Suleiman, o Magnífico, os cavaleiros foram forçados a render-se em 1523 e deixaram Rhodes com honras militares.

Malta – 1530

A Ordem permaneceu sem território próprio até 1530, quando o Grão-Mestre Fra Philippe de Villiers da Ilha Adam tomou posse da ilha de Malta, concedida à Ordem pelo Imperador Carlos V com a aprovação do Papa Clemente VII.

Em 1565, os cavaleiros, liderados pelo grão-mestre Fra ‘Jean de la Vallette, defenderam a ilha por mais de três meses durante o Grande Cerco dos Otomanos.

Após esta vitória, a cidade e o porto de La Valletta foram construídos e receberam o nome do Grão-Mestre, seu fundador. Os cavaleiros transformaram Malta, realizando projetos de construção urbana: foram construídos palácios e igrejas, além de formidáveis novos bastiões de defesa e jardins. A arquitectura floresceu, bem como o patrocínio artístico. A ilha recebeu um grande hospital novo, considerado um dos mais bem organizados e eficazes do mundo. Foi fundada uma escola de anatomia seguindo-se uma faculdade de medicina. Em particular, a Ordem contribuiu para o desenvolvimento da oftalmologia e farmacologia.

Além dessas actividades, durante séculos a frota da Ordem de Malta participou das manobras mais importantes do Mediterrâneo contra a frota otomana e contra os piratas do norte da África.

Batalha de Lepanto – 1571

Em 1571, a frota da Ordem de Malta participou da batalha de Lepanto, contribuindo para a vitória da frota cristã contra a expansão do Império Otomano na Europa.

Anos de dificuldade – 1798

Duzentos anos depois, durante a campanha do Egipto em 1798, Napoleão Bonaparte ocupou Malta pelo seu interesse estratégico. Por causa do código da Ordem que proíbe a Ordem de levantar armas contra outros cristãos, os cavaleiros foram forçados a deixar a ilha. O Tratado de Amiens, assinado em 1802, que estabeleceu os direitos soberanos da Ordem sobre a ilha de Malta, nunca foi aplicado.

Roma – 1834

Após se ter estabelecido temporariamente em Messina, Catânia e Ferrara, em 1834, a Ordem estabeleceu-se definitivamente em Roma, onde possui, com estatuto extraterritorial, o Palácio Magistral e a Villa Magistral no Monte Aventino.

Século XX e XXI

Na segunda parte do século XIX, a missão hospitalária original tornou-se mais uma vez o foco principal da Ordem, ficando cada vez mais forte durante o século XX, principalmente devido à contribuição das actividades realizadas por seus Grandes Priorados e Associações Nacionais em diversos países por todo o mundo. Actividades hospitalares e de caridade em larga escala foram levadas a cabo durante a Primeira e a Segunda Guerra Mundial, sob o comando do Grão-mestre Fra’ Ludovico Chigi Albani della Rovere (1931-1951).

Sob os Grão-mestres Fra’ Angelo de Mojana di Cologna (1962-1988) e Fra’ Andrew Bertie (1988-2008), os projectos expandiram-se até atingirem as regiões ultraperiféricas do mundo.

Assembleia dos Cavaleiros Portugueses da Ordem Soberana Militar de S. João de Jerusalém, de Rodes e de Malta

Igreja de Sta. Luzia e S. Brás, Lg. Santa Luzia - 1100-487 LISBOA – PORTUGAL

Email: ordemdemalta@gmail.com Tel.: +351 215 873 567